Versão para impressãoSend to friend
Palestinian Grassroots Anti-apartheid Wall Campaign

Torne-se um(a) apoiador(a) da Coalizão de Defesa da Terra Palestina!

Em 2015, a Coalizão de Defesa da Terra foi lançada oficialmente como um espaço de coordenação para alguns dos maiores movimentos populares da Palestina, bem como para organizações de base locais. Já construímos ações poderosas e de resistência popular em conjunto – mas a fim de continuar no próximo ano, precisamos do seu apoio. Por favor, considere contribuir com uma doação para a nossa luta em 2016.

Unindo 12 movimentos e organizações que mobilizam, entre outros, os agricultores, trabalhadores, comunidades beduínas, jovens e mulheres, o objetivo da Coalizão de Defesa da Terra (Land Defense Coalition - LDC) é reforçar a capacidade de resistência da população nas áreas particularmente visadas pelas forças de ocupação israelenses e construir bases de ações e solidariedade internacional para enfrentar a ocupação israelense, bem como o projeto de assentamento e suas implicações.

Começando em um novo ano, temos que estar preparados para muitos desafios: a onda de revolta em curso e as manifestações, que desde outubro se espalharam por toda a Cisjordânia, entre outros, é liderada por iniciativas locais animadas por uma nova geração de combatentes da liberdade da Palestina e que precisa de apoio; o "plano de deslocalização" de Israel, que visa a limpeza étnica da Área C (cerca de 60% da Cisjordânia) e a ameaça iminente de cerca de 68 comunidades, tem sido até agora sem sucesso só por causa de um esforço combinado de resistência popular e firmeza, além da pressão internacional. Enquanto a solidariedade internacional e o movimento BDS global estão crescendo rapidamente, há uma necessidade constante de construir a solidariedade direta para as comunidades em risco e campanhas estratégicas para acabar com a impunidade de Israel.

Só através da intensificação da luta popular palestina, apoiada pela solidariedade global, podemos garantir que o plano de Israel para uma completa Bantustanização do povo palestino será interrompida e a liberdade e justiça podem ser alcançados. A Coalizão de Defesa da Terra está empenhada em contribuir com a sua parte neste esforço nacional para a libertação e retorno do povo palestino.

Nosso trabalho é quase exclusivamente baseado em esforços voluntários, mas precisamos de um mínimo de recursos para manter a estrutura básica da Coalizão  de Defesa da Terra, apoiar os seus membros, agir de forma eficaz e independente.

Solicitamos, portanto, que você e/ou sua organização se torne um defensor da Coalizão de Defesa da Terra e faça uma contribuição para os nossos esforços de 2016.

Até 01 de março, estamos à procura de apoiadores que podem oferecer entre US $ 500 e US $ 5000 (ou mais, se possível) para o nosso trabalho durante 2016. Entre em contato conosco se você estiver interessado em nos apoiar. Se você estiver interessado em realizar um levantamento de fundos, estaremos felizes em trabalhar em conjunto para torná-lo um sucesso.

Por favor, junte-se na solidariedade e entre em contato conosco: global@stopthewall.org

-----

Alguns destaques da nossa luta em 2015

Há anos nós trabalhamos em prol de uma nova geração de combatentes da liberdade

da Palestina, Stop the Wall tem trabalhado em conjunto com os jovens na educação política e apoiaram os seus esforços de organização local para combater a ocupação, defender seus direitos e sua função na sociedade palestina. A Coalizão de Defesa da  Terra se juntou a este esforço, mantendo um forte componente de juventude. Apoiamos a formação de comitês de jovens em cada distrito da Cisjordânia e a criação de um órgão de coordenação - o Fórum da Juventude Palestina.

A onda contínua de protestos generalizados liderados pela juventude, que estão desafiando a aderência da ocupação sobre as nossas vidas, são mais uma prova da centralidade desses esforços. A idade pode morrer, mas a nossa juventude não se esquece e nem se rende.

 

Nós unimos forças para lutar contra o Muro do Apartheid

Em Cremisan, área de Belém, a juventude, os agricultores e as comunidades beduínas de Defesa da Terra se uniram ao Stop the Wall e Kairos Palestina para apoiar as manifestações em curso dos comitês locais para parar a construção do Muro no terreno da aldeia.

Em agosto, Israel começou a finalizar o Muro do Apartheid nesta área. Escavadeiras israelenses começaram a escavar a terra e arrancar oliveiras, que estão situados no vale aos pés de Beit Jala, a noroeste de Belém. O confisco das terras na área irá resultar em uma grave perda na renda da população local e será arruinada definitivamente próxima ao distrito de Belém, em Jerusalém.

Quase três quartos do muro de apartheid, ao longo de 800 km, já estão construídos. Se Israel conseguir terminá-lo, o Muro, junto com as zonas militares, os assentamentos e sua infra-estrutura irá cortar os palestinos para fora de Jerusalém, além da maior parte de seus recursos hídricos e cerca de 60% das terras da Cisjordânia.

 

Nossa luta contra a deslocação do povo palestino de Israel continua

No início de 2015, fomos uma parte central do acampamento de protesto na área Abu Dis, o "Portão de Jerusalém". O acampamento de protesto resistiu por quase dois meses e uma dúzia de demolições antes que as escavadeiras israelenses pudessem invadir a área.

As pessoas se reuniram nas terras para interromper o plano israelense para transformar a área em um "campo de recolocação" para as comunidades beduínas serem deslocadas de suas casas.

Nós já interrompemos os negócios palestinos que tinham sido atraídos para lucrar a partir deste plano, nós vamos continuar trabalhando em conjunto para parar os "campos de recolocação" e o deslocamento de comunidades palestinas.

 

Nós trabalhamos para unir as comunidades palestinas

A Coalizão de Defesa Terra tem apoiado as comunidades no Vale do Jordão para formar o Conselho Popular do Vale do Jordão. A iniciativa tem sido um processo de dois anos de consultas e conversas, a fim de unir as comunidades que foram fragmentadas por divisões administrativas e políticas israelenses de isolamento.

Hoje, as 18 comunidades e conselhos de aldeias que formam o trabalho do Conselho Popular juntos para resistir à crescente pressão para limpar etnicamente Vale do Jordão, apoiam uns aos outros contra treinamentos militares, demolições de casas e criaram uma voz coletiva a nível nacional e, esperamos, que será ouvido cada vez mais claramente a nível internacional.

 

Lutamos pelos direitos sociais, econômicos e políticos dos pequenos agricultores, trabalhadores, mulheres, jovens e grupos sociais marginalizados

No ano passado, a Coalizão de Defesa da Terra iniciaram uma luta conjunta, entre a União Palestina de  Agricultores e o Conselho Popular do Vale do Jordão, contra os impostos que a Autoridade Nacional Palestina queria cobrar sobre os pequenos agricultores e o gado das comunidades beduínas. Conseguimos uma suspensão temporária. No momento, estamos lutando para o cancelamento total do imposto e para o arquivamento dos processos judiciais contra agricultores que se recusaram a pagar o imposto. Agricultores palestinos e as comunidades beduínas, especialmente na área C, estão na vanguarda da luta pela nossa terra e carregam o peso de políticas devastadoras da ocupação. Eles merecem apoio e não mais o estrangulamento imposto a eles.

Os novos sindicatos organizaram, em conjunto com a Coalizão de Defesa da Terra, três manifestações em massa exigindo a criação de tribunais do trabalho e a formação de um comitê de investigação para resolver os casos de trabalho que ainda estão pendentes desde há anos nos tribunais. Os novos sindicatos têm ajudado mais de 400 trabalhadores a levarem seus casos em tribunais israelenses e palestinos, mas o fracasso do sistema judicial palestino de fato desprotege os trabalhadores frente a seus empregadores.

 

Trabalhamos para manter longe os agentes de apartheid contra o povo palestino e responsabilizar os aproveitadores da guerra

Os membros da Coalizão de Defesa Terra continuaram a promover e apoiar ativamente o movimento BDS global e contribuiram para o Comitê Palestino pelo Boicote, Desinvestimento e Sanções (BNC).

Stop the Wall prosseguiu com seus esforços de impedir quaisquer contratos, investimentos e financiamentos para a Elbit Systems, a empresa militar israelense que, entre outros, constrói os drones que são uma ferramenta central de assassinato em massacres repetidos por Israel em Gaza, além de fornecer tecnologias para o Muro e os assentamentos. Este ano iniciamos, juntamente com o ECCP, a campanha para acabar com o financiamento da UE para a Elbit Systems, empresas militares e de segurança israelenses.

Nós continuamos a construir esforços contra os interesses globais de esforço e participação na privatização da água da Mekorot, a empresa de água israelense responsável pela implementação do "apartheid da água" de Israel.

Continuamos a dar uma atenção especial para o sul global e trabalhar em conjunto com os parceiros desde a Índia até ao Brasil. Como a luta palestina é anti-colonial em seu núcleo, a aliança com as pessoas que lutaram contra o colonialismo e que continuam a lutar contra neo-colonialismo é um elemento central na nossa perspectiva global. Considerando a crescente importância que os países não ocidentais jogam em sustentar economicamente o apartheid israelense, o reforço desta aliança é uma urgência.

Acreditamos que o apartheid israelense não só é devastador para o povo palestino, como é antagônico a todos aqueles que lutam pela justiça social, econômica e política.

Nossa estrutura organizacional

Nossos membros:

·       Campanha Stop The Wall

·       União Palestina dos Agricultores

·       Nova Federação Palestina de Sindicatos (novos sindicatos)

·       Palestina Fórum da Juventude

·       Associação para os Direitos dos Agricultores e preservação do meio ambiente

·       Centro de Desenvolvimento Social para Mulheres

·       Associação Jadayel / Centro Palestino de Cultura, Artes e Criatividade

·       Fundação Jadayel

·       Sociedade Palestina de Agricultores -Tulkarem

·       Sociedade N'lin para o Desenvolvimento e Trabalho Comunitário

·       Conselho Popular para proteger o Vale do Jordão

·       Associação para a Infância e Desenvolvimento Al-Amal

 

Nosso mecanismo de coordenação:

Os membros da LDC se uniram para fortalecer a luta comum nas bases, para capacitar especialmente nas áreas de mobilização popular, alcance internacional, pesquisa e administração.

A LDC é liderada por um comitê executivo composto por representantes dos seus membros. O comitê executivo LDC nomeia o coordenador-geral.

Equipe:

1 coordenador

1 coordenador de alcance internacional

A União Palestina de Agricultores apoia a LDC através de seu contador.

 

Para mais informações, veja Land Defense Coalition brochure.

 

x

Select (Ctrl+A) and Copy (Ctrl+C)