Versão para impressãoSend to friend
Palestinian Grassroots Anti-apartheid Wall Campaign

Lutando por sua terra

Eles estão lutando para preservar o direito à sua própria terra em Abu Dis, Cisjordânia. Um grupo de palestinos se reúne todas as noites para lutar por sua terra.

 

Esta é a quinta vez esta semana. A quinta vez que estes palestinos constroem este pequeno abrigo, com três paredes e um teto de lona. E, provavelmente, esta madrugada ele será destruído mais uma vez pelo governo de Israel - e reconstruído amanhna pelo povo palestino.
 

 

Por que Israel deseja fazer isso?

Estas pessoas estão reunidas todos os dias desde o começo da semana por uma razão política” eles desejam impedir que o Estado de Israel realoque comunidades beduínas da área entre Jerusalém Oriental e o assentamento de Ma’ale Adumin para esta terra, perto de Abu Dis. O objetivo principal, de acordo com o plano E1, é evacuar o que Israel chama de “Grande Jerusalém”, e popular a área com israelenses, expandindo ainda mais a ocupação da Cisjordânia - muitos quilômetros além da ‘Green Line’ determinada pela ONU em 1949. Em um contexto mais amplo, os esforços israelenses visam dividir a Cisjordânia em duas áreas desconexas, separadas por assentamentos israelenses e severo controle de fronteira - desta forma eliminando qualquer perspectiva de solução de dois Estados.

 

 

Qual é a situação legal?

A área é propriedade de palestinos, com toda a documentação necessária. Nos últimos dez anos, o Jewish National Fund tentou adquirir as propriedades, mas os palestinos se recusaram a vendê-las. Agora, Israel está tentando confiscar a terra por ‘propósitos civis’, uma vez que comunidades beduínas seriam realocadas para a região.
 

O que os beduínos acham deste plano?

O representante dos beduinos, no entanto, é muito claro: seu povo não tem nenhuma intenção de deixar a área onde vivem atualmente. Eles estão dispostos a discutir apenas duas alternativas: ficar onde eles estão, com serviços públicos e reconhecimento por parte do governo, ou que permitam seu retorno ao local onde vivam antes de serem expulsos pela fundação de Israel em 1948. Confiscar terras palestinas para uso próprio não é uma opção. “Nós também somos palestinos”, diz o representante. Uma vez que eles se enxergam como integrantes do mesmo movimento de resistência, se recusam a aceitar a ‘solução’ israelense.

 

Qual o plano do movimento de resistência?

 
Por enquanto, a estratégia dos ativistas de permanecer até tarde da noite no local ou mesmo dormir no abrigo vêm funcionando. Foi possível atrair alguma atenção ao problema, incluindo de comunidades próximas e até mesmo de jornalistas e ativistas estrangeiros. O constante diálogo com (e a presença dos) beduínos também é muito importante para evitar a fragmentação da luta.
 

Como você pode ajudar?

A solidariedade de palestinos de diferentes áreas e de estrangeiros é muito importante para manter o movimento forte. Você é bem-vindo para participar deste movimento nos próximos dias. Para mais informações, nos mande uma mensagem no Facebook ou ligue: (+972) 056 892 1821.
 
 
 
 
 

 

x

Select (Ctrl+A) and Copy (Ctrl+C)